Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Novo método simplifica análise de ilhotas pancreáticas em estudo sobre diabetes

Escrito por Ana Mariano

julho 2, 2024

Pesquisadores da USP desenvolveram um método inovador para facilitar a avaliação do funcionamento das ilhotas pancreáticas, células cruciais no controle dos níveis de açúcar no corpo e associadas à diabetes. Essa técnica simplifica a preparação das amostras, permitindo a medição do consumo de oxigênio com diversos equipamentos, sem a necessidade de materiais exclusivos, o que promete melhorar diagnósticos e testes de medicamentos.

O estudo foi publicado na revista científica Molecular Metabolism em março deste ano. “As ilhotas pancreáticas são agrupamentos de células encontradas no pâncreas, um órgão vital tanto para o sistema digestivo quanto para a regulação hormonal”, explica a professora Eloisa Aparecida Vilas-Boas, da Faculdade de Ciências Farmacêuticas (FCF) da USP, uma das autoras do estudo. “Essas células produzem diversos hormônios que controlam os níveis de glicose e regulam o armazenamento e uso de energia.”

“Um dos principais hormônios é a insulina, produzida pelas células beta das ilhotas. A insulina direciona a glicose para armazenamento e regula o uso de reservas de energia, como durante o exercício físico ou o jejum”, acrescenta a professora Vilas-Boas. “Disfunções nas ilhotas pancreáticas podem levar ao desenvolvimento de diabetes mellitus, onde os níveis de glicose no sangue não são adequadamente controlados.”

A função das ilhotas pode ser avaliada de várias maneiras, incluindo a análise da atividade mitocondrial, crucial para a produção de energia dentro das células beta. O novo método desenvolvido permite a avaliação do consumo de oxigênio nas ilhotas utilizando placas padrão, tornando-se compatível com diversos equipamentos de medição disponíveis.

“A pesquisa foi conduzida com o apoio de professores e pesquisadores do Departamento de Bioquímica da USP, incluindo Alicia Kowaltowski, Alexandre Bruni-Cardoso, e Antonio Carlos Manucci, e foi liderada pela pós-doutoranda Débora Santos Rocha”, destaca a professora Vilas-Boas. “Nosso método mostrou-se robusto e viável, proporcionando resultados consistentes durante testes prolongados, o que pode contribuir significativamente para estudos sobre diabetes e terapias futuras.”

Via: Jornal da USP

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Márcia Cunha

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Márcia Cunha

Márcia é empreendedora de segunda viagem, graduada em Economia e MBA em Gestão Estratégica de Negócios pela FGV. Sempre inserida no universo feminino, formou-se em Psicanálise pelo CEP SP, a fim de compreender ainda mais as mulheres. Ela é Business and Executive Coach...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.