Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Cirurgias Avançadas: Simulação Realista

Escrito por Letícia Nani

outubro 26, 2023

Pesquisadores do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (HCFMRP) da USP, na Divisão de Neurocirurgia, criaram uma simulação ultrarrealista para melhorar as habilidades dos médicos em cirurgias do crânio. O projeto proporciona aos neurocirurgiões a oportunidade de praticar, aprender e planejar cirurgias complexas de forma segura e realista.

Quer compartilhar com outros médicos mais sobre cirurgias complexas, casos e trocar pesquisas? Acesse já, clicando aqui, a Comunidade Médica virtual, Jornada 360 do Paciente aqui e se prepare para uma plataforma com conteúdos exclusivos e médicos prontos para trocar experiências!

O doutorando Rodrigo Pongeluppi tomou como base a cirurgia para a remoção do schwannoma vestibular, um tumor que afeta o equilíbrio e a audição à medida que cresce na base craniana. Na maioria dos casos, esse tumor não é canceroso e não se espalha para outras partes do corpo. No entanto, devido aos sintomas e à pressão que pode exercer sobre o cérebro, ele pode ser removido.

Por ser um tumor grande, cuja retirada ocorre através de um acesso estreito e profundo, a cirurgia é bastante delicada, como ele detalha ao Jornal da USP. “O acesso é feito próximo aos seios venosos. Existe um risco grande de sangramento, que aumenta o risco do procedimento, e o risco de lesão relacionado à secção do tumor, que fica no meio dos nervos cranianos.”

Para simular a operação, a inovação une um modelo de realidade virtual a um modelo realístico impresso tridimensionalmente em resinas, silicone e borrachas curadas de várias densidades que reproduzem diferentes tipos de tecidos. “O tumor, por exemplo, sangra e dentro do seio venoso colocamos um líquido azul, que simula sangue caso tivesse uma lesão”, conta Rodrigo Pongeluppi.

Segundo o professor Ricardo Santos de Oliveira, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP, o aprendizado hoje depende da disponibilidade de cadáveres para estudo. “Por uma série de razões, é cada vez mais difícil o treinamento cirúrgico em cadáveres no Brasil. Por isso, o desenvolvimento desses modelos de realidade virtual e ultrarrealistas eliminam essa questão relacionada ao material humano, e eles podem ser adaptados, reutilizados.”

Aprimoramento

Rodrigo Pongeluppi  explica ao Jornal da USP que o modelo virtual serve para complementar alguns detalhes anatômicos de que o modelo impresso não dispõe. “O modelo de realidade virtual nada mais é do que a reconstrução de todas as partes de uma cabeça de um indivíduo que tem o schwannoma vestibular, desde a pele, osso, musculatura, cérebro, dura-máter, seios venosos e artérias, até chegar no tumor.”

Os dois modelos são fiéis às radiologias, tomografias e ressonâncias dos pacientes. Apenas a face é alterada para evitar identificação.

Com isso, é criado um modelo híbrido de realidade aumentada, que integra elementos reais a informações virtuais através de uma câmera de celular ou tablet.

O modelo virtual entra em sincronia com o modelo impresso, simulando desde a incisão da pele até a retirada do tumor. Assim, o cirurgião treina os mesmos passos que precisarão ser realizados para a retirada do tumor de verdade.

A nova abordagem pretende melhorar a formação de neurocirurgiões, fazendo com que os médicos aprendam mais rapidamente e tornando os procedimentos mais seguros. Assim que estiver totalmente desenvolvida, o conhecimento dos alunos na aplicação prática será avaliado em hospitais de ensino.

Pioneirismo

De acordo com o professor Ricardo de Oliveira, modelos como esse estarão cada vez mais presentes em serviços de treinamento. “O Brasil está na vanguarda desse tipo de tecnologia. Algumas empresas privadas aqui estão bastante avançadas no desenvolvimento de tecnologia da realidade aumentada, do modelo híbrido e no treinamento utilizando a tecnologia do metaverso.”

A utilização de simuladores na medicina não é uma novidade, mas o projeto é o primeiro a simular neurocirurgias da base do crânio posterior.

A neurocirurgia brasileira é altamente reconhecida internacionalmente. Em 2018, o HCFMRP realizou pela primeira vez a separação de duas gêmeas siamesas unidas pela cabeça. “Nós utilizamos naquela ocasião modelos que podiam ser operados, em que pudéssemos treinar antes mesmo da realização da cirurgia”, lembra o professor.

O trabalho tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e o objetivo em longo prazo é desenvolver laboratórios que consigam produzir modelos como esse. Dessa forma, eles poderão ser oferecidos aos hospitais públicos, onde há o maior número de pacientes e de serviços de treinamento.

Mais informações: e-mails rodrigopongeluppi@gmail.com, com Rodrigo Pongeluppi, e rsoliveira@hcrp.usp.br, com Ricardo Santos de Oliveira

*Estagiário sob supervisão de Fabiana Mariz

**Estagiária sob supervisão de Moisés Dorado

Via: Jornal da USP

 

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Carolina Soihet Cohen

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Carolina Soihet Cohen

Carolina Soihet Cohen é uma renomada especialista em Comunicação de Causas e uma das líderes do movimento global pela saúde e igualdade de acesso a tratamentos médicos. Como cofundadora da Colabore com o Futuro, ela está à frente na defesa dos direitos à saúde e na...

Conheça o Protagonista da Saúde: Alex Sanghikian

Conheça o Protagonista da Saúde: Alex Sanghikian

Na busca por entender o futuro da saúde, é crucial conhecer os visionários que estão moldando esse cenário. Entre esses líderes está Alex Sanghikian, atual gerente da área de Digital & Inovação da Sandoz no Brasil. Com mais de 15 anos de experiência na vanguarda...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.