Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Como a COVID-19 desencadeou um sprint em direção a uma assistência médica mais inteligente

Escrito por Editor@

setembro 16, 2022

Como a COVID-19 desencadeou um sprint em direção a uma assistência médica mais inteligente

Respondendo à COVID-19, os pré-conceitos quebrados sobre o que é necessário para criar uma experiência de saúde de “digital-first”.

  • são fundamentais para um ecossistema de saúde inteligente integrado.

COVID-19 expôs a dependência do sistema de saúde dos EUA na prestação de cuidados presenciais. As tecnologias digitais de saúde necessárias para suportar um ecossistema de saúde perfeito, a qualquer hora e em qualquer lugar têm estado disponíveis por pelo menos uma década, mas até recentemente, tem havido pouca pressão para que consumidores, médicos e sistemas de saúde adotem estas tecnologias.

O que começou como uma mudança necessária em direção ao atendimento remoto digitalmente habilitado já reformulou a prestação de cuidados a curto prazo. Por exemplo, quase metade das visitas aos cuidados primários do Medicare em abril de 2020 foram feitas via telemedicina (43,5%) em comparação com menos de 1% em fevereiro (0,1%).1 O que ainda não está claro é se o aumento da telemedicina tornou os consumidores e médicos mais abertos ao atendimento virtual no futuro e se irá acelerar a jornada das organizações de saúde em direção a um ecossistema de saúde inteligente.

Para responder a estas perguntas, o EY entrevistou mais de 2.000 consumidores de assistência médica nos EUA e 300 médicos americanos em julho de 2020 para entender sua utilização e opiniões sobre a tecnologia de assistência médica (ver “Sobre o estudo”). Descobrimos que a resposta do sistema de saúde dos EUA à COVID-19 acelerou a adoção da tecnologia de saúde e destruiu os preconceitos sobre o que é necessário para criar uma experiência de saúde de primeiro digital. O resultado é uma maior “aderência” da telemedicina a curto prazo e uma maior abertura para a adoção de tecnologias inteligentes de saúde no futuro. Estas descobertas são consistentes com a pesquisa do EY em 2019, que descobriu que estes grupos já esperavam uma mudança significativa para um sistema de saúde digital na próxima década, antes da COVID-19.2

Estas circunstâncias não são exclusivas dos EUA. Globalmente, os países experimentaram a mesma mudança para o cuidado virtual e estão em uma posição semelhante para reimaginar seus sistemas de saúde como um ecossistema físico e virtual integrado.

A necessidade impulsiona novas experiências

Como a pandemia se acelerou, múltiplos fatores, incluindo o desejo de evitar ambientes de escritório ou hospitalares, limitaram o acesso direto dos consumidores ao atendimento médico. Como resultado, 42% dos americanos faltaram ou adiaram o tratamento médico, de acordo com uma pesquisa da Kaiser Family Foundation (KFF).3 Enquanto alguns dos que procuraram atendimento médico exigiram ou preferiram tratamento presencial, muitos outros utilizaram consultas remotas para avaliar os sintomas da COVID-19 ou receberam atendimento enquanto permaneciam em segurança em casa.

O resultado foi um grande aumento na adoção de telemedicina pelos consumidores durante a pandemia. (Figura 1) Nossa pesquisa mostra que a penetração das consultas por vídeo quase quadruplicou de 5% para 19%, enquanto as consultas por telefone mais do que dobraram de 11% para 24%. E para a maioria dos pacientes (70%), uma consulta telefônica funcionou tão bem quanto comunicar seus sintomas ao médico pessoalmente.

Para os médicos, a adoção da telemedicina era um imperativo médico e comercial, não uma opção. O uso de telefone e vídeo explodiu de 20% para mais de 80%, tornando os cuidados virtuais disponíveis na maioria das práticas quase da noite para o dia (Figura 1). Esta tendência era verdadeira não apenas para os cuidados primários e práticas especializadas, mas também para as instalações de tijolos e morros, como hospitais e centros de cuidados ambulatórios.

Os médicos relatam que a mudança do máximo de cuidado possível para canais virtuais lhes permitiu atender a mais pacientes durante a pandemia do que teria sido possível de outra forma. A adoção quase universal da telemedicina pode explicar porque muito poucos médicos acreditam que suas práticas tenham perdido pacientes para provedores remotos durante a pandemia. Entretanto, práticas com capacidades digitais mais profundas e portas frontais digitais atraentes podem ter uma vantagem a longo prazo no acesso aos pacientes e uma experiência mais satisfatória para o cliente. Assim, não é surpreendente que a grande maioria dos médicos (81%) planeje acelerar sua introdução de novas tecnologias digitais. Outros 63% farão investimentos moderados ou significativos nestas tecnologias nos próximos três anos.

A “aderência” futura depende da conveniência e da velocidade

Nossas pesquisas sugerem que o aumento da adoção da telemedicina pelos consumidores provavelmente permanecerá acima dos níveis pré-pandêmicos e que a adoção de outras tecnologias de saúde verá um crescimento significativo nos próximos anos.

Apesar deste mergulho, a penetração das consultas telefônicas e de vídeo se estabelecerá em um nível mais elevado do que antes da pandemia. Por exemplo, a utilização de consultas em vídeo será quase o dobro do que era no início do ano (10% vs. 5%). E embora o poder curativo do toque humano seja uma crença chave na medicina, a pandemia revelou que as interações presenciais nem sempre são necessárias. Mesmo entre os consumidores que utilizaram a telemedicina, mas preferem visitas presenciais, 49% provavelmente continuarão a utilizar a telemedicina.

Via: EY

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Carolina Soihet Cohen

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Carolina Soihet Cohen

Carolina Soihet Cohen é uma renomada especialista em Comunicação de Causas e uma das líderes do movimento global pela saúde e igualdade de acesso a tratamentos médicos. Como cofundadora da Colabore com o Futuro, ela está à frente na defesa dos direitos à saúde e na...

Conheça o Protagonista da Saúde: Alex Sanghikian

Conheça o Protagonista da Saúde: Alex Sanghikian

Na busca por entender o futuro da saúde, é crucial conhecer os visionários que estão moldando esse cenário. Entre esses líderes está Alex Sanghikian, atual gerente da área de Digital & Inovação da Sandoz no Brasil. Com mais de 15 anos de experiência na vanguarda...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.