Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Pesquisadores brasileiros desenvolvem índice para reduzir atraso e fortalecer cirurgias eletivas

Escrito por Editor@

novembro 29, 2022

Ferramenta é descrita em artigo publicado na revista “The Lancet”, uma das mais prestigiadas do mundo, e tem pesquisadores do HRAC-USP entre os coautores

Um estudo que acaba de ser publicado na revista científica The Lancet, uma das mais antigas e prestigiadas do mundo na área da medicina – e que tem pesquisadores do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) da USP em Bauru entre os coautores – aponta que, no início de 2022, cerca de 200 milhões de pacientes em todo o mundo aguardavam cirurgias eletivas (aquelas que podem ser agendadas com antecedência).

Com o objetivo de fortalecer os serviços cirúrgicos eletivos e reduzir os atrasos crescentes, os cientistas desenvolveram e validaram um Índice de Preparação Cirúrgica – Surgical Preparedness Index (SPI) –, primeira ferramenta que avalia especificamente a cirurgia eletiva e a preparação do sistema de anestesia. Para essa finalidade, foram priorizados 23 indicadores globalmente relevantes de preparação cirúrgica em quatro domínios: instalações, pessoal, priorização e processos.

De acordo com o estudo, a aplicação do SPI pode identificar alvos e subsidiar políticas públicas e investimentos nos níveis regional e local. O trabalho sugere também que os hospitais devem implementar urgentemente a avaliação anual do SPI e criar planos de ação locais para fortalecer os serviços cirúrgicos eletivos.

A situação foi agravada pela pandemia, mas os estudiosos lembram que a covid-19 é apenas um dos fatores que impactaram o serviço. Epidemias de gripe e vírus ebola tiveram efeitos significativos nos serviços cirúrgicos na última década. E fenômenos naturais associados às mudanças climáticas, bem como conflitos, continuam a representar uma ameaça substancial ao funcionamento desse sistema.

“O acúmulo de pacientes aguardando procedimentos eletivos é agora um dos desafios mais prementes para a saúde global nos próximos dez anos”, destacam os pesquisadores.

Embora o SPI tenha sido desenvolvido durante a pandemia de covid-19, ele foi projetado para ser aplicável a qualquer contexto de pressão do sistema de saúde. O trabalho mostra ainda que esforços concentrados para lidar com a preparação cirúrgica serão essenciais para lidar com os crescentes atrasos e mitigar os danos aos pacientes que aguardam a cirurgia eletiva.

“Melhorar a preparação provavelmente fortalecerá os serviços cirúrgicos eletivos contra futuros choques externos e apoiará a ampliação da cirurgia para atender às crescentes demandas. Portanto, o SPI apoia uma área de grande prioridade para a Organização Mundial da Saúde (OMS) para o progresso contínuo em direção ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 3 [da Organização das Nações Unidas – ONU]: Saúde e Bem-estar”, pontuam os pesquisadores.

Intitulado Elective surgery system strengthening: development, measurement, and validation of the surgical preparedness index across 1.632 hospitals in 119 countries (Fortalecimento do sistema de cirurgia eletiva: desenvolvimento, medição e validação do índice de preparação cirúrgica em 1.632 hospitais em 119 países), o artigo foi publicado em 31 de outubro e está disponível para consulta no endereço https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(22)01846-3/fulltext.

Este é mais um trabalho desenvolvido pela plataforma de estudos internacional sobre a covid-19 e a segurança em cirurgias chamada CovidSurg Collaborative, da qual o HRAC-USP participa. A iniciativa é liderada por pesquisadores da Universidade de Birmingham (Inglaterra) e conta com a participação de mais de 142 mil pacientes, 1.600 centros e 120 países. Essa colaboração internacional já resultou em diversos artigos publicados em 2021 e 2022 em conceituados periódicos científicos internacionais.

Pesquisadores do HRAC-USP
Três pesquisadores da USP participam da CovidSurg Collaborative e estão entre os coautores das publicações. São eles os professores: Carlos Ferreira dos Santos, superintendente do HRAC-USP e vice-diretor da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP; Cristiano Tonello, chefe técnico do Departamento Hospitalar do HRAC-USP e docente do Curso de Medicina da FOB; e Nivaldo Alonso, chefe técnico da Seção de Cirurgia Craniofacial do HRAC-USP e docente da Disciplina de Cirurgia Plástica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

“Esta é mais uma amostra da excelência que caracteriza o trabalho realizado pela equipe do HRAC, tanto pela relevância e impacto científico como também pela inovação e contribuição para a melhoria contínua da assistência, das cirurgias eletivas”, ressalta Santos.

Via: USP

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

O Einstein é a primeira organização da América Latina a padronizar as recomendações das principais sociedades mundiais de genômica em um algoritmo de IA adaptado às peculiaridades brasileiras para identificação de alterações de DNA associadas às doenças genéticas. O...

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

A Healthtech Nilo acaba de fechar parceria com a unidade de negócios de Oftalmologia do Grupo Fleury com o objetivo de acompanhar pacientes que vão passar por cirurgias de forma personalizada e humanizada. A jornada digital de fácil acesso, já que é realizada via...

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

O diagnóstico de duas ou mais doenças crônicas para uma mesma pessoa cresceu nos últimos 20 anos. O aumento dessa condição, conhecida como multimorbidade, acompanha o envelhecimento da população na cidade de São Paulo. Em 2015, 42,2% da população paulistana com mais...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.