Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Pesquisadores brasileiros desenvolvem índice para reduzir atraso e fortalecer cirurgias eletivas

Escrito por Editor@

novembro 29, 2022

Ferramenta é descrita em artigo publicado na revista “The Lancet”, uma das mais prestigiadas do mundo, e tem pesquisadores do HRAC-USP entre os coautores

Um estudo que acaba de ser publicado na revista científica The Lancet, uma das mais antigas e prestigiadas do mundo na área da medicina – e que tem pesquisadores do Hospital de Reabilitação de Anomalias Craniofaciais (HRAC/Centrinho) da USP em Bauru entre os coautores – aponta que, no início de 2022, cerca de 200 milhões de pacientes em todo o mundo aguardavam cirurgias eletivas (aquelas que podem ser agendadas com antecedência).

Com o objetivo de fortalecer os serviços cirúrgicos eletivos e reduzir os atrasos crescentes, os cientistas desenvolveram e validaram um Índice de Preparação Cirúrgica – Surgical Preparedness Index (SPI) –, primeira ferramenta que avalia especificamente a cirurgia eletiva e a preparação do sistema de anestesia. Para essa finalidade, foram priorizados 23 indicadores globalmente relevantes de preparação cirúrgica em quatro domínios: instalações, pessoal, priorização e processos.

De acordo com o estudo, a aplicação do SPI pode identificar alvos e subsidiar políticas públicas e investimentos nos níveis regional e local. O trabalho sugere também que os hospitais devem implementar urgentemente a avaliação anual do SPI e criar planos de ação locais para fortalecer os serviços cirúrgicos eletivos.

A situação foi agravada pela pandemia, mas os estudiosos lembram que a covid-19 é apenas um dos fatores que impactaram o serviço. Epidemias de gripe e vírus ebola tiveram efeitos significativos nos serviços cirúrgicos na última década. E fenômenos naturais associados às mudanças climáticas, bem como conflitos, continuam a representar uma ameaça substancial ao funcionamento desse sistema.

“O acúmulo de pacientes aguardando procedimentos eletivos é agora um dos desafios mais prementes para a saúde global nos próximos dez anos”, destacam os pesquisadores.

Embora o SPI tenha sido desenvolvido durante a pandemia de covid-19, ele foi projetado para ser aplicável a qualquer contexto de pressão do sistema de saúde. O trabalho mostra ainda que esforços concentrados para lidar com a preparação cirúrgica serão essenciais para lidar com os crescentes atrasos e mitigar os danos aos pacientes que aguardam a cirurgia eletiva.

“Melhorar a preparação provavelmente fortalecerá os serviços cirúrgicos eletivos contra futuros choques externos e apoiará a ampliação da cirurgia para atender às crescentes demandas. Portanto, o SPI apoia uma área de grande prioridade para a Organização Mundial da Saúde (OMS) para o progresso contínuo em direção ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 3 [da Organização das Nações Unidas – ONU]: Saúde e Bem-estar”, pontuam os pesquisadores.

Intitulado Elective surgery system strengthening: development, measurement, and validation of the surgical preparedness index across 1.632 hospitals in 119 countries (Fortalecimento do sistema de cirurgia eletiva: desenvolvimento, medição e validação do índice de preparação cirúrgica em 1.632 hospitais em 119 países), o artigo foi publicado em 31 de outubro e está disponível para consulta no endereço https://www.thelancet.com/journals/lancet/article/PIIS0140-6736(22)01846-3/fulltext.

Este é mais um trabalho desenvolvido pela plataforma de estudos internacional sobre a covid-19 e a segurança em cirurgias chamada CovidSurg Collaborative, da qual o HRAC-USP participa. A iniciativa é liderada por pesquisadores da Universidade de Birmingham (Inglaterra) e conta com a participação de mais de 142 mil pacientes, 1.600 centros e 120 países. Essa colaboração internacional já resultou em diversos artigos publicados em 2021 e 2022 em conceituados periódicos científicos internacionais.

Pesquisadores do HRAC-USP
Três pesquisadores da USP participam da CovidSurg Collaborative e estão entre os coautores das publicações. São eles os professores: Carlos Ferreira dos Santos, superintendente do HRAC-USP e vice-diretor da Faculdade de Odontologia de Bauru (FOB) da USP; Cristiano Tonello, chefe técnico do Departamento Hospitalar do HRAC-USP e docente do Curso de Medicina da FOB; e Nivaldo Alonso, chefe técnico da Seção de Cirurgia Craniofacial do HRAC-USP e docente da Disciplina de Cirurgia Plástica da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

“Esta é mais uma amostra da excelência que caracteriza o trabalho realizado pela equipe do HRAC, tanto pela relevância e impacto científico como também pela inovação e contribuição para a melhoria contínua da assistência, das cirurgias eletivas”, ressalta Santos.

Via: USP

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Carolina Soihet Cohen

Conhecendo a protagonista em inovação na saúde Carolina Soihet Cohen

Carolina Soihet Cohen é uma renomada especialista em Comunicação de Causas e uma das líderes do movimento global pela saúde e igualdade de acesso a tratamentos médicos. Como cofundadora da Colabore com o Futuro, ela está à frente na defesa dos direitos à saúde e na...

Conheça o Protagonista da Saúde: Alex Sanghikian

Conheça o Protagonista da Saúde: Alex Sanghikian

Na busca por entender o futuro da saúde, é crucial conhecer os visionários que estão moldando esse cenário. Entre esses líderes está Alex Sanghikian, atual gerente da área de Digital & Inovação da Sandoz no Brasil. Com mais de 15 anos de experiência na vanguarda...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.