Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Quais são as tensões ao usar o Design Thinking na saúde e como eliminá-las

Escrito por amplificaDev

junho 20, 2022

Muitos estudos mostram vários desafios a serem considerados na aplicação do Design Thinking na saúde. Em primeiro lugar, existe a possibilidade de tensão entre o que os usuários desejam e o que os provedores e pesquisadores acreditam ser benéfico com base em pesquisas e conhecimentos. Enquanto na indústria, onde um designer de inovação pode priorizar as preferências dos clientes para maximizar os lucros, na saúde deve-se encontrar um equilíbrio entre a criação de intervenções que sejam eficazes e suficientemente palatáveis ​​e viáveis ​​para que sejam usadas por profissionais e pacientes.

Em segundo lugar, pode existir tensão entre a avaliação das necessidades, uma etapa fundamental do Design Thinking, e a literatura existente e a base de evidências para algumas condições. Ou seja, dadas as evidências, os desenvolvedores de intervenções podem não estar dispostos ou achar necessário realizar sua própria avaliação de necessidades usando estratégias de observação, ou entrevista, ou para debater soluções criativas. De fato, 7 dos estudos incluídos nesta revisão relataram revisões de literatura, e possivelmente consulta a especialistas, como suas únicas etapas de avaliação de necessidades, e nenhum relatou brainstorming. Uma maneira de superar essa tensão é ver a evidência como um conjunto de restrições de projeto em que a avaliação das necessidades, o brainstorming, a ideação e a prototipagem devem ocorrer.

Uma terceira tensão possível diz respeito ao equilíbrio da abordagem do Design Thinking de entender a narrativa de outliers com os métodos tradicionais de pesquisa em saúde que priorizam estatísticas em grandes amostras para produzir resultados generalizáveis. Conclusões extraídas de pequenas amostras de usuários devem ser testadas em populações mais amplas para garantir sua aplicabilidade. Abordagens de métodos mistos que usam ambas as estratégias podem reduzir essa tensão. Por exemplo, uma equipe de pesquisa que usa uma abordagem qualitativa de Design Thinking no início do processo de pesquisa (por exemplo, observações de usuários, grupos focais e testes de usabilidade com pequenos grupos de usuários-alvo) pode gerar insights sobre as principais necessidades do público-alvo população. Essa abordagem também pode encontrar maneiras de atender a essas necessidades, e testes quantitativos subsequentes das intervenções desenvolvidas em amostras mais amplas permitirão ao grupo avaliar se suas suposições se generalizam para a população mais ampla e, como resultado, a intervenção será mais eficaz.

Em quarto lugar, há uma tensão inerente entre uma filosofia central do processo de prototipagem no Design Thinking – passar rapidamente por iterações de baixa fidelidade e após alta fidelidade para falhar cedo e frequentemente para alcançar mais rapidamente um design melhor – e o risco de resultados negativos graves devido a falhas nos cuidados de saúde (por exemplo, morte). Muitos dos estudos não usaram prototipagem de baixa fidelidade ou múltiplas iterações rápidas, talvez por causa dessa tensão. No entanto, embora possa haver alguma relutância para experimentar protótipos de baixa fidelidade em cuidados de saúde onde morbidade e mortalidade estão em jogo, existem abordagens de baixo risco para prototipagem de baixa fidelidade que podem minimizar o risco e melhorar o ritmo da inovação (por exemplo, storyboards para ilustrar um novo processo clínico).

Desenvolvimento e implementação de intervenção: exemplo de caso

Considerar o papel do Design Thinking é importante, não apenas no desenvolvimento eficaz da intervenção, mas também na implementação efetiva na prática. Ao projetar um novo processo para facilitar as transferências de enfermeiros entre turnos, Lin e colegas conduziram um extenso processo de desenvolvimento de intervenção de 6 meses que foi focado no usuário e empático e teve rápida iteração em locais pilotos. No entanto, apesar deste forte trabalho preliminar, a intervenção não foi prontamente aceite quando implementada em outras clínicas. Como afirmou um participante:

“Depois que os conceitos foram co-desenvolvidos e testados em campo com nossas unidades pilotos, assumimos que as unidades foram “compradas” para a ideia da mudança. Surpreendentemente, nossa abordagem ao treinamento resultou em críticas e criou ceticismo [em outras clínicas]. Eles atribuíram isso aos sentimentos de “não feito aqui” das unidades não envolvidas no projeto original”.

Para superar essa tensão, a equipe envolveu partes interessadas adicionais para desenvolver um processo mais centrado no usuário para a implementação de sua inovação de Design Thinking, após o qual implementou com sucesso a inovação em 125 unidades de enfermagem em 14 hospitais ao longo de 2 anos (16). Este estudo destaca a importância de compreender o contexto do cenário e dos usuários, tanto no desenvolvimento quanto na implementação de uma intervenção usando uma abordagem de Design Thinking. Deve-se notar também que este processo exigiu tempo e energia significativos das partes interessadas. Uma parte interessada comentou: “Não me entenda mal. O que fizemos foi fantástico. Mas exigiu muito de nós” (43). Este estudo destaca a importância de permanecer fiel à natureza centrada no usuário do Design Thinking durante todo o processo — do desenvolvimento à implementação — para maximizar o sucesso da implementação. Ele também destaca os desafios em usar esta abordagem. As equipes que utilizam o Design Thinking devem estar preparadas para um processo mais intensivo do que os métodos tradicionais, menos iterativos e centrados no usuário.

Limitações

Dado os resultados variados incluídos na revisão e os relatórios inconsistentes de resultados qualitativos, foi difícil fazer comparações entre os estudos. A variedade de tipos de estudo e o número limitado de ECRs em larga escala testando os efeitos da intervenção também dificultaram a obtenção de conclusões definitivas sobre a eficácia. Ao mesmo tempo, tendo em vista que houve apenas um estudo com resultado nulo, provavelmente houve viés de publicação, o que pode ter levado à superestimação da eficácia do Design Thinking. Também é possível que os investigadores tenham usado métodos, mas não os tenham relatado (por exemplo, prototipagem). Além disso, não avaliamos o uso do Design Thinking em outras áreas de saúde onde possa ser benéfico, como o design de espaços físicos. Finalmente, as inovações em saúde baseadas em Design Thinking que foram desenvolvidas e implementadas fora de contextos de pesquisa podem existir, portanto, não são relatadas na literatura.

Conclusões

O Design Thinking está sendo usado em diversos ambientes e condições de saúde, e mais estudos estão por vir. O Design Thinking pode resultar em intervenções mais utilizáveis, aceitáveis ​​e eficazes em comparação com os métodos tradicionais orientados por especialistas. Estudos futuros podem se beneficiar ao focar na comparação de intervenções desenvolvidas usando métodos de Design Thinking com intervenções tradicionalmente desenvolvidas, e identificar os componentes mais úteis dos métodos de Design Thinking.

No geral, o Design Thinking é uma abordagem promissora para o desenvolvimento, implementação e disseminação de intervenções que pode aumentar a aceitabilidade e a eficácia das intervenções de saúde, envolvendo ativamente pacientes e fornecedores no processo de design e iterando rapidamente protótipos de inovação para maximizar o sucesso.

www.ibes.med.br/design-thinking-na-saude/

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

O Einstein é a primeira organização da América Latina a padronizar as recomendações das principais sociedades mundiais de genômica em um algoritmo de IA adaptado às peculiaridades brasileiras para identificação de alterações de DNA associadas às doenças genéticas. O...

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

A Healthtech Nilo acaba de fechar parceria com a unidade de negócios de Oftalmologia do Grupo Fleury com o objetivo de acompanhar pacientes que vão passar por cirurgias de forma personalizada e humanizada. A jornada digital de fácil acesso, já que é realizada via...

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

O diagnóstico de duas ou mais doenças crônicas para uma mesma pessoa cresceu nos últimos 20 anos. O aumento dessa condição, conhecida como multimorbidade, acompanha o envelhecimento da população na cidade de São Paulo. Em 2015, 42,2% da população paulistana com mais...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.