Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Saúde Digital e os Impactos e Reajustes nos planos de saúde

Escrito por Letícia Nani

agosto 22, 2023

Saúde Digital e os Impactos e Reajustes nos planos de saúde

Em um país continental como o Brasil, a saúde digital impacta não só na questão de acesso, mas também nos custos financeiros das administradoras de saúde que reverberam nos usuários. A gestão de saúde populacional – que atua em toda jornada de cuidado, incluindo a prevenção de doenças – contribui para a diminuição da sinistralidade, impactando diretamente na qualidade de vida das pessoas, no índice de reajustes e, consequentemente, no equilíbrio com o SUS (Sistema Único de Saúde).

Claudio Tafla, diretor médico da Nilo Saúde, relembra que com os aumentos dos planos privados, muitos beneficiários, inviabilizados pelos reajustes de seus planos, voltarão a utilizar o SUS, que já está sobrecarregado.  “Corremos o risco de diminuir o acesso da população à saúde. Pensando na redução de custos e em viabilizar o atendimento de forma rápida e inteligente, muitas empresas já utilizam tecnologias para promover a gestão de saúde populacional, digitalmente, como a Nilo.”

Tafla explica que, durante 18 meses, beneficiários 50+ de um plano de saúde privado foram acompanhados por equipes de cuidado de saúde da Nilo, por meio de sua plataforma digital. “A Nilo possui uma solução digital que oferece uma jornada de saúde automatizada, customizada e online, via WhatsApp, que possibilita a gestão mais eficiente das linhas de cuidado dos pacientes. A plataforma apresenta agendamentos de consultas, teleconsultas, orientações, informações, que contribuem para o aumento do engajamento dos usuários, melhorando indicadores clínicos e de satisfação dos mesmos”, explica.

“O resultado dessa gestão próxima e eficiente foi uma redução de 18% no sedentarismo e 45% de aumento na autopercepção de saúde dos pacientes que receberam atendimento online. Além da melhora na saúde do grupo analisado e, consequentemente, menos idas desnecessárias ao consultório médico/realização de exames e/ou internações, houve redução no sinistro, per capita, em 9,5%, com um ROI (retorno sobre investimento) de 262%, durante o período de 18 meses.”

 Reajustes e seus impactos no bolso

Com a notícia da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) do reajuste máximo de 9,63% no preço dos planos de saúde individual e familiar, muitos se questionaram o porquê dos contratos coletivos, sejam empresariais ou por adesão, não seguirem a mesma correção. A diferenciação dos preços e formatos de reajuste estão na origem e registro do produto.

Os planos individuais ou familiares possuem, geralmente, um número menor de pessoas, concentrando maior risco atuarial, ou seja, maior possibilidade de eventos e custos por grupo de beneficiários.  Esses contratos são os únicos a terem seu teto de correção indicado pela ANS, no intuito de proteger os beneficiários de reajustes impeditivos para a continuidade da cobertura dos planos por parte de inadimplência dos beneficiários.

O diretor médico da Nilo explica: “A ANS utiliza uma metodologia de cálculo, aplicada desde 2019, que combina a variação das despesas assistenciais com o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) descontado o subitem plano de saúde, ou seja, o impacto deste ítem dentro da variação do IPCA, por isso é importante a receita das operadoras no período e seus gastos com eventos, pois esse cálculo é baseado na diferença das despesas assistenciais por beneficiário dos planos de saúde individuais de um ano para o outro.”

Tafla esclarece que já os planos coletivos, tanto empresariais, quanto por adesão, possuem livre negociação, mas geralmente são influenciados por sinistralidade, que é todo o custo empregado em utilização do plano, ou seja, consultas, exames, internações, etc., sobre toda a receita da operadora, para aquela determinada população. E esse nível de utilização foi fortemente impactado para menos durante a pandemia, o que gerou uma demanda reprimida que tem se evidenciado como aumento de utilização desde o segundo semestre de 2022.

Dados do Caderno de Informações da ANS mostram que a sinistralidade do primeiro semestre de 2021 beirou os 70 a 80 % de forma geral. Já depois de 2022 tivemos um crescimento que tem chegado aos 90% de sinistralidade e até superado isso em algumas modalidades, o que é inviável para o sistema de saúde suplementar.

“Por isso, torna-se vital para o sistema que exista uma gestão e coordenação do cuidado, educação dos usuários e compromisso dos prestadores, para que mesmo em tempos de restrição de acesso (como a pandemia, por exemplo), possamos atuar, inclusive de forma digital, neste fator, e em questões de populações que moram em regiões com dificuldade de acesso a prestadores. Só assim estaremos fazendo Gestão de Saúde Populacional”, finaliza Tafla

Via: Saúde Business

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

O Einstein é a primeira organização da América Latina a padronizar as recomendações das principais sociedades mundiais de genômica em um algoritmo de IA adaptado às peculiaridades brasileiras para identificação de alterações de DNA associadas às doenças genéticas. O...

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

A Healthtech Nilo acaba de fechar parceria com a unidade de negócios de Oftalmologia do Grupo Fleury com o objetivo de acompanhar pacientes que vão passar por cirurgias de forma personalizada e humanizada. A jornada digital de fácil acesso, já que é realizada via...

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

O diagnóstico de duas ou mais doenças crônicas para uma mesma pessoa cresceu nos últimos 20 anos. O aumento dessa condição, conhecida como multimorbidade, acompanha o envelhecimento da população na cidade de São Paulo. Em 2015, 42,2% da população paulistana com mais...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.