Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Sistema desenvolvido na USP pode otimizar técnica para tratar câncer

Escrito por Letícia Nani

fevereiro 10, 2023

Com o avanço da tecnologia, novas formas de tratamento para diversas doenças vêm surgindo. A hipertermia magnética, terapia que utiliza nanotecnologia no tratamento do câncer, é um exemplo. Durante o procedimento, nanopartículas se direcionam para as células cancerosas e são irradiadas em um campo magnético alternado, onde a temperatura entra em elevação até destruí-las. No entanto, localizar as nanopartículas magnéticas e controlar a temperatura durante esse processo ainda são um desafio.

Pensando nestas dificuldades, pesquisadores da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP desenvolveram um sistema, batizado de Teranóstico, para sanar os obstáculos e possibilitar que as aplicações terapêuticas e de diagnóstico possam ser alcançadas por meio de um sistema integrado. “O nosso objetivo é que nossa tecnologia, de alguma maneira, auxilie para que a hipertermia possa ser mais utilizada em pacientes oncológicos”, esclarece Théo Zeferino Pavan, professor de Física Médica da FFCLRP e um dos autores do estudo.

O sistema teve sua patente depositada em 2020, junto ao Instituto Nacional da Propriedade Intelectual (Inpi). Atualmente, está em fase de aperfeiçoamento e deve entrar em testes pré-clínicos em breve. “A gente acredita que o nosso sistema tem um grande potencial para ajudar no entendimento desse tipo de tratamento, mesmo que seja por enquanto ainda com esses pequenos animais”, diz o professor.

Como funciona o sistema?

Pavan conta que o sistema é composto de um equipamento de ultrassom, “esse mesmo equipamento utilizado em clínicas de obstetrícia e cardiologia”, e que apresenta diversas vantagens. Além de portátil, tem baixo custo e não traz malefícios para a saúde. No entanto, com o uso da nanotecnologia, o ultrassom não apresenta uma boa resolução, e para a hipertermia magnética “é essencial que essas partículas estejam bem localizadas”, afirma o professor.

Para que as imagens de ultrassom tenham uma boa sensibilidade na detecção das nanopartículas, o Sistema Teranóstico utiliza campos magnéticos externos, gerados a partir de bobinas, onde passam correntes elétricas que interagem com as nanopartículas utilizadas na hipertermia magnética, produzindo uma vibração em baixa frequência. “O interessante é que a gente consegue detectar muito bem essas vibrações de baixa frequência com o ultrassom de imagem”, acrescenta Pavan.

Esta mesma bobina consegue também aplicar um campo magnético de alta frequência que, quando interage com as nanopartículas, provoca a dissipação de energia e o aquecimento do tecido visualizado. Desta forma, a equipe conseguiu “desenvolver um sistema que consegue tanto aplicar o tratamento de hipertermia, quanto localizar as nanopartículas”, informa o professor. Mais detalhes do sistema podem ser conferidos na reportagem da Revista Fapesp.

Aperfeiçoamento

O Sistema Teranóstico, desenvolvido com financiamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e da Fapesp, é resultado do trabalho de doutorado dos pesquisadores Yaser Hadadian, bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), e João Henrique Uliana, bolsista Fapesp, ambos do Departamento de Física da FFCLRP. O artigo científico sobre o sistema foi publicado em 2020 e pode ser acessado aqui. No mesmo ano, a invenção teve sua patente depositada junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), através da Agência USP de Inovação (Auspin).

Pavan informa que na primeira versão, idealizada nos estudos de Hadadian e Uliana, a alternância entre os campos magnéticos e a sincronização com o equipamento de ultrassom não estavam completamente otimizadas. Assim, atualmente outro aluno de doutorado do professor Pavan, Ernesto Mazón, bolsista Capes, trabalha para solucionar esses obstáculos.

Mais informações: e-mail theozp@usp.br, com Théo Zeferino Pavan

Via: Jornal da USP

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

O Einstein é a primeira organização da América Latina a padronizar as recomendações das principais sociedades mundiais de genômica em um algoritmo de IA adaptado às peculiaridades brasileiras para identificação de alterações de DNA associadas às doenças genéticas. O...

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

A Healthtech Nilo acaba de fechar parceria com a unidade de negócios de Oftalmologia do Grupo Fleury com o objetivo de acompanhar pacientes que vão passar por cirurgias de forma personalizada e humanizada. A jornada digital de fácil acesso, já que é realizada via...

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

O diagnóstico de duas ou mais doenças crônicas para uma mesma pessoa cresceu nos últimos 20 anos. O aumento dessa condição, conhecida como multimorbidade, acompanha o envelhecimento da população na cidade de São Paulo. Em 2015, 42,2% da população paulistana com mais...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.