Estamos aqui para impulsionar a transformação no mercado da saúde

Solução computacional identifica automaticamente alterações em mamografias

Escrito por Letícia Nani

fevereiro 23, 2023

Fábio de Castro | Agência FAPESP

Uma empresa paulista desenvolveu um método computacional inovador que está tornando mais rápida, simples e precisa a atuação dos radiologistas na hora de analisar exames de mamografia e localizar alterações suspeitas. Utilizando recursos de inteligência artificial, como aprendizado de máquina e modelos neurais, a Harpia Health Solutions desenvolveu a plataforma Delfos, que, após a realização da mamografia, identifica e classifica automaticamente anomalias e lesões no tecido mamário, facilitando o processo de triagem feito pelo radiologista.

Sediada no Parque Tecnológico de São José dos Campos (SP), a empresa teve apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE) para o desenvolvimento da solução.

“Os exames de mamografia são enviados em nuvem para a plataforma Delfos, que devolve os resultados em até cinco minutos”, diz Daniel Aparecido Vital, pesquisador responsável pelo projeto e um dos sócios da Harpia.

O pesquisador explica que a plataforma funciona em integração com os sistemas PACS (Picture Archiving and Communication System), que é o software padrão utilizado pelas clínicas para visualizar e armazenar as imagens de mamografia.

O exame de mamografia é o principal método diagnóstico capaz de detectar alterações no tecido mamário e é fundamental para possibilitar o tratamento precoce do câncer de mama, reduzindo assim a mortalidade.

“É importante que a solução esteja integrada ao PACS, que já faz parte da rotina dos radiologistas. A plataforma é totalmente automatizada e pode resultar em vários benefícios, como o aumento da assertividade – com redução de até 15% das incoerências de diagnósticos –, o aumento da produtividade em até 40% e do diagnóstico precoce em até 20%, além de uma redução de custos considerável para as operadoras, hospitais e clínicas”, afirma Vital.

A agilidade do novo método permite também que os médicos tomem decisões mais acertadas na priorização da fila de diagnósticos, agilizando a emissão dos laudos. A tecnologia indica automaticamente a presença de nódulos, massas mamárias e agrupamentos de calcificações para que o radiologista faça a triagem necessária.

“O tempo de diagnóstico pode ser reduzido em cerca de 40%. Um fator importante é que o radiologista é dispensado de tarefas de baixo valor cognitivo, focando sua atenção nos achados suspeitos”, avalia.

Alta tecnologia

A empresa foi criada em abril de 2019, na incubadora Nexus, do Parque Tecnológico de São José dos Campos, por um grupo de alunos, ex-alunos e docentes da pós-graduação em engenharia biomédica no Instituto de Ciência e Tecnologia da Universidade Federal de São Paulo (ICT-Unifesp), no campus da cidade paulista. Além de Vital e sua sócia, Catarina Cardoso Reis, são cofundadores da empresa e consultores científicos os professores Henrique Alves de Amorim e Matheus Cardoso Moraes.

O projeto PIPE foi finalizado em novembro de 2021 e a solução desenvolvida pela Harpia já é um produto comercial. Ao longo de 2021, a plataforma Delfos processou 35 mil mamografias.

“Hoje o número é maior, processamos de 12 mil a 13 mil mamografias por mês. Temos 12 clientes em seis Estados e estamos negociando com grandes empresas nacionais do setor de saúde e ampliando parcerias”, afirma Vital.

Segundo ele, o diagnóstico de uma mamografia, quando limitado à avaliação visual, sem qualquer processamento digital, pode carecer de informações para uma análise rápida e precisa. Com isso, desde a década de 1990, sistemas de apoio ao diagnóstico tentam fazer a filtragem de imagens médicas para radiologistas. Esses sistemas, porém, ainda têm grandes limitações quanto à acurácia e abrangência.

“Nosso objetivo era dar um passo à frente, utilizando as mais altas tecnologias em inteligência artificial e visão computacional. Todas as ferramentas utilizadas no sistema Delfos foram desenvolvidas pela Harpia, com base em tecnologias preexistentes, mas fizemos algumas modificações únicas, aplicando modelos neurais, aprendizado de máquina e deep learning”, explica Vital.

Outro aspecto importante é que todo o desenvolvimento – e o “treinamento” do sistema inteligente – foi realizado com base em exames 100% nacionais, a partir de uma amostra bastante diversificada, dando conta do perfil extremamente heterogêneo da população brasileira.

“Integrado ao sistema do cliente, o sistema Delfos diferencia os nódulos e outros achados suspeitos e apresenta ao médico uma avaliação automática de várias estruturas mamárias, incluindo avaliação da densidade mamária, linfonodos axilares, simetria e identificação de calcificações”, diz Vital.

As avaliações de identificação dos nódulos e calcificações são apresentadas visualmente. “Caixas de indicação e mapas de calor são utilizados para apresentar o tamanho e a localização das estruturas suspeitas nos quadrantes do tecido mamário. A ideia é que o radiologista bata o olho e consiga identificar os achados”, explica.

A solução funciona totalmente on-line, sem necessidade de infraestrutura local nas clínicas ou hospitais. Segundo Vital, o pagamento é feito pelos clientes por exame processado ou por meio da aquisição de assinaturas ou pacotes fixos de exames. Neste último caso, se o número de exames passar do limite “pré-pago”, o cliente apenas paga pelo excedente. De acordo com ele, as demandas são diferentes, com clientes de 100 a 8 mil mamografias mensais.

A Harpia, de acordo com Vital, tem uma parceria com as empresas fornecedoras de sistemas PACS, o que permite que a integração com o sistema Delfos esteja em contínua evolução.

“Temos um roteador integrado aos sistemas de imagem dos clientes. Os sistemas PACS disparam os exames automaticamente para a nossa nuvem, de forma totalmente automatizada”, explica.

Segundo ele, isso permite que a análise fique disponível para o médico, já anexada ao laudo do PACS, em menos de cinco minutos. “Isso é importante, porque, dentro desse prazo, muitas vezes a paciente ainda está na clínica. Dependendo do resultado, já pode ser encaminhada imediatamente para um ultrassom, como exame complementar. Isso evita que a paciente precise ser convocada novamente caso haja algum achado no exame”, afirma.

O próximo passo para o sistema Delfos, a partir de agora, é desenvolver a capacidade para apontar se o achado suspeito é maligno ou benigno. “Hoje, o sistema consegue separar os exames com achados suspeitos daqueles sem achados, automatizando as tarefas do radiologista e reduzindo o tempo de diagnóstico, mas não aponta se o achado é benigno ou não. Nosso objetivo é dar esse passo em um projeto PIPE fase 2″, diz Vital.

Via: Fapesp

Acesse o site da epharma

Artigos em comum

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

Genética inovadora: Algoritmo do Einstein acelera diagnóstico

O Einstein é a primeira organização da América Latina a padronizar as recomendações das principais sociedades mundiais de genômica em um algoritmo de IA adaptado às peculiaridades brasileiras para identificação de alterações de DNA associadas às doenças genéticas. O...

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

Paciente Digital: Parceria Inovadora em Oftalmologia

A Healthtech Nilo acaba de fechar parceria com a unidade de negócios de Oftalmologia do Grupo Fleury com o objetivo de acompanhar pacientes que vão passar por cirurgias de forma personalizada e humanizada. A jornada digital de fácil acesso, já que é realizada via...

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

Saúde em Foco: Multimorbidades em São Paulo e Desafios

O diagnóstico de duas ou mais doenças crônicas para uma mesma pessoa cresceu nos últimos 20 anos. O aumento dessa condição, conhecida como multimorbidade, acompanha o envelhecimento da população na cidade de São Paulo. Em 2015, 42,2% da população paulistana com mais...

Acompanhe +O2labs

+o2Labs Respire boas ideias

Sobre +O2labs

Uma plataforma própria com uma metodologia vencedora voltada exclusivamente para inovação na prática com 3 programas distintos:

  • Central de Ideias: campanhas de intraempreendedorismo para fomentar a cultura de inovação com os epharmers, nossos colaboradores.
  • epharma Disrupt: desenvolver os melhores MPVs através de squads multifuncionais e alianças estratégicas para cocriação entre experts.
  • epharma Connect: foco em inovação aberta com staturps que queiram fazer parte de nossos desafios de forma colaborativa, e conectar com outros labs para criar parcerias diversificadas e escalar MVPs.

Junte-se a nós neste mesmo objetivo! Respire boas ideias.